quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

ARTIGO: SOBRE MIASTENIA GRAVIS

SOBRE MIASTENIA GRAVIS
(Por ABRAMI- Associação Brasileira de Miastenia Grave)


*** O QUE É A MIASTENIA GRAVIS?

A miastenia grave – e a fraqueza muscular que a acompanha – é conseqüência de uma falha na comunicação entre neurônios e músculos. Essa falha na comunicação pode ser resultado de vários fatores, como o ataque de anticorpos ou ainda a falta de algumas proteínas não sintetizadas devido a mutações genéticas.

*** QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

A miastenia grave afeta mais comumente os músculos da face, como os do globo ocular, causando muitas vezes visão dupla, ou os das pálpebras, causando ptose (“olhos caídos”), ou ainda o masseter, que comanda o maxilar, causando dificuldades na fala e na mastigação. Deve-se procurar um neurologista sempre que houver qualquer fraqueza ou fadiga muscular progressiva e sem causa aparente.

Os sintomas variam de doente para doente, sendo os mais comuns:

·        Queda de uma ou ambas as pálpebras (ptose);
·        Desdobramento das imagens ou visão dupla (diplopia);
·        Fraqueza dos músculos que mobilizam os globos oculares (estrabismo);
·        Dificuldade em falar, com voz nasalada (disfonia);
·        Dificuldade em engolir, com regurgitação dos líquidos pelo nariz (disfagia);
·        Fraqueza nos músculos da mastigação e tendência para ter a boca aberta;
·        Fraqueza nos músculos do pescoço com queda da cabeça para a frente;
·        Fraqueza dos músculos dos membros superioes e/ou inferiores;
·        Fraqueza dos músculos das pernas com dificuldade para subir degraus ou andar;
·        Fraqueza dos músculos dos braços com dificuldade para elevar os braços para pentear, barbear ou escrever;
·        Fraqueza dos músculos respiratórios, o que representa um perigo significativo.

Observações:

- A fraqueza muscular pode se desenvolver durante dias ou semanas ou até mesmo manter-se no mesmo nível durante longos períodos de tempo (anos).
- A severidade da doença varia de doente para doente e, no mesmo doente, pode variar ao longo do dia.
- A fraqueza tende a agravar-se com o exercício e para o fim do dia e, em geral, melhora parcialmente com o repouso.
- Esforço físico, exposição ao calor, estados infecciosos, alterações emocionais e uso de alguns medicamentos como antibióticos, analgésicos ou relaxantes, podem piorar a sintomatologia.
- Atualmente, o tratamento para controlar os sintomas e a evolução dessa doença crônica pode assegurar aos pacientes vida praticamente normal.
- Se foi feito o diagnóstico de miastenia grave, é extremamente importante estar preparado para procurar um pronto-socorro no caso de uma crise miastênica.
- Se os músculos que controlam a respiração forem afetados, em decorrência de uma infecção respiratória, até mesmo uma pequena falta de ar pode rapidamente se transformar numa emergência, necessitando ajuda médica imediata.

*** COMO É REALIZADO O DIAGNÓSTICO?

O ponto chave para o diagnóstico de miastenia grave é a presença de fraqueza muscular que aumenta com o esforço e diminui com o repouso. O diagnóstico da Miastenia Grave é difícil e, em alguns casos, demorado. O ponto chave para o diagnóstico de miastenia gravis é a presença de fraqueza muscular que aumenta com o esforço e diminui com o repouso.

Alguns testes podem confirmar a presença da doença:

·        Exame clínicoSe você apresenta fraqueza muscular ou cansaço súbito, consulte um neurologista. O exame clínico, que inclui teste de reflexos, de força e de tônus muscular, pode dar pistas importantes sobre a presença ou não de algum distúrbio neurológico. O exame avalia ainda o tato, visão, postura, coordenação e equilíbrio, entre outros aspectos.

·        Análise de sangueAtravés de exame específico podem ser detectados os anticorpos que atacam os receptores musculares – anticorpos anti-acetilcolina ou MuSK. Estes anticorpos são detectados pelo exame em cerca de 80% dos casos de miastenia grave.

.   Tomografia computadorizada do tórax
É feita para se avaliar o timo, uma pequena glândula que produz anticorpos e muitas vezes pode estar associada à presença de miastenia grave auto-imune.

·        Eletroneuromiografia (EMG)É um exame que avalia a intensidade das contrações musculares, induzidas por um choque elétrico de baixa intensidade. Avalia também a atividade elétrica de músculos em repouso e em atividade, através da introdução de um eletrodo em forma de agulha muito fina na fibra muscular. Muitas vezes, é um dos testes mais conclusivos.

·        Testes genéticosAlguns tipos de miastenia gravis (os tipos congênitos, ou de nascença) são causados por genes defeituosos. Embora genes causadores de alguns dos tipos da doença já tenham sido identificados, os cientistas ainda trabalham para a completa identificação. Mesmo assim, muitas distrofias musculares podem ser detectadas com o teste genético. Saiba mais no Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo, tel. (11) 3091-7966, http://genoma.ib.usp.br/
 
·        Biópsia de tecido muscularConsiste na análise em microscópio de tecido muscular, normalmente retirado do bíceps por meio de uma microcirugia. Esta análise pode revelar fibras musculares atrofiadas características da miastenia gravis, além de outras desordens de ordem neuromuscular.

*** COMO É REALIZADO O TRATAMENTO?

Tratamentos permitem controle da doença na maioria dos casos. Embora ainda não haja cura para miastenia grave, a maioria dos tipos da doença podem ser tratados e mantidos sob controle com orientação médica adequada. Não deixe de consultar seu médico.

Alguns dos tratamentos podem incluir:

·        Medicação
Nos casos de miastenia grave auto-imune, são comuns os inibidores da enzima colinesterase, que agem na junção neuromuscular, e também imunossupressores (inibidores do sistema imunológico), capazes de aumentar as contrações musculares. Alguns tipos de miastenia gravis congênita não reagem a essa medicação. Algumas drogas experimentais, como a 3,4-Diaminopiridina (3,4-DAP), ou ainda a fluoxetina, são eficazes em alguns tratamentos.
Atenção: NÃO tome remédios sem o conhecimento do seu médico!

·        Terapias complementares
Como parte do tratamento, o médico pode também indicar algum tipo de atividade física, como fisioterapia, hidroterapia ou terapia ocupacional, que permitirão a adaptação às tarefas cotidianas e a manutenção da saúde cardiovascular.
Atenção: Exercícios físicos podem piorar os sintomas da miastenia!

·        Cirurgia
O timo é responsável pela produção de anticorpos que podem estar relacionados à presença de miastenia grave.
A sua remoção cirúrgica (timectomia) resulta em melhora da qualidade de vida de cerca de 70% dos pacientes, segundo pesquisadores da Mayo Clinic, nos EUA.
Essa glândula é muito ativa na infância, mas com o passar do tempo, involui e vai perdendo suas funções. Quando isso não acontece, sua remoção pode ser recomendada.

·        Plasmaferese
É um processo de filtragem do sangue do organismo para que sejam retirados os anticorpos que impedem a comunicação natural entre nervos e músculos. O sangue é retirado do organismo e passa por um equipamento dotado de uma série de filtros, retornando em seguida. Trata-se de um procedimento caro e demorado, mas que pode ser útil nos casos em que a miastenia grave auto-imune represente risco de morte.

*** Para maiores informações, acesse:

Nenhum comentário:

Postar um comentário